Embratel Pense Inovação - Só mais um site ConvergeCom

Gestão de risco

Pesquisa relaciona aumento de fraudes nas empresas com o baixo crescimento econômico do Brasil.

Postado em: 09/12/2014, às 18:22

A ICTS Protiviti, empresa de consultoria, auditoria e serviços em gestão de riscos, apresentou a pesquisa "O Retrato da Fraude Corporativa no Brasil", que faz relação entre o aumento do número de fraudes nas organizações brasileiras nos últimos quatro anos e o ambiente macroeconômico do país. A pesquisa revela que a incidência/identificações de fraudes tem relação inversa com o crescimento do PIB brasileiro

"O crescimento do PIB do país apresentou queda de cerca de 7,5 vezes entre 2010 e 2012. Em contrapartida, o número de casos de fraudes identificadas cresceu cerca de 12 vezes entre 2010 e 2013", explica Renato Anaia, gerente executivo de Investigação e Inteligência Empresarial da ICTS Protiviti.
O impacto financeiro dos casos de fraude identificados também se relaciona inversamente com o crescimento econômico do Brasil. A partir de 2010, quando o crescimento do PIB caiu de 7,5% para 2,7% em 2011 e para 1% em 2012, o valor médio das fraudes teve aumento de cerca de 450%, de R$ 50.000,00 para R$ 225.000,00.  O levantamento foi consolidado a partir das informações de 92 fraudes confessas investigadas pela empresa no período entre 2009 e 2014.

Ao comentar os resultados da pesquisa, Anaia acredita que a percepção das pessoas é de que elas não devem, em princípio, cometer "atos de fraudes quando as coisas vão bem, mas ficam mais vulneráveis para adotar este tipo de conduta em momentos de maior pressão econômica ou quando se sentem desmotivadas na empresa". Soma-se a isso o fato de que em momentos de maior pressão por resultados, as empresas reforçam seus processos de detecção de fraudes.

A pesquisa revela que em relação ao tipo de fraude, a maioria está ligada a atos de corrupção, em que a pessoa aceita ou faz pagamento de suborno (60%), seguida de apropriação indébita, na qual o indivíduo furta ou pratica desvio de ativos (32%) e demonstrações fraudulentas, em que os fraudadores manipulam resultados (8%).

Impacto financeiro

O impacto financeiro das fraudes também foi medido na pesquisa, segundo a qual 33% das fraudes estão relacionadas a valores acima de R$ 100 mil; 29% entre R$ 10 e R$ 100 mil; 17% até R$ 10 mil. O valor médio do impacto da fraude é de R$ 295 mil, acima da média registrada nos Estados Unidos, que em 2013 foi de cerca de US$ 100 mil (R$ 220 mil).

A maior parcela de fraudadores, de acordo com a pesquisa, é formada por homens (85%) e 15% por mulheres; sendo que 58% estão na empresa há mais de cinco anos e 40% têm entre 1 e 5 anos. Renato Anaia considera que os fraudadores com maior tempo de casa têm uma sensação de conforto para esta prática.

O nível de formação do fraudador também influencia, sendo que 76% são graduados e 24% não graduados. Na análise do nível de decisão dos fraudadores, 39% atuam em nível estratégico, 37% tático e 24% operacional. Anaia explica que o impacto financeiro causado pelos graduados é 3 vezes maior do que dos não graduados e o fato da maioria ocupar funções estratégicas indica que eles se utilizam do elevado grau de confiança que possuem dentro das organizações.

Em termos de distribuição geográfica, 53% dos fraudadores confessos estão na região Sudeste, 26% no Norte e Nordeste, 11% na região Sul e 10% no Centro-Oeste. Em termos de segmentos mais expostos, os maiores índices apresentados foram na construção civil (32% dos casos); logística e transporte (19%) e indústria (17%).

Proteção às empresas

A ICTS, por meio de sua área de Investigação e Inteligência Empresarial, tem como objetivo principal dar suporte completo aos clientes na identificação e tratamento de situações de risco ao negócio.

"As empresas precisam se proteger através da adoção de políticas internas e mecanismos para identificação e controle das fraudes", alerta Anaia. Recomendam-se ações antes e depois da ocorrência de fraudes. Numa atitude preventiva, as empresas devem adotar programas de conscientização e capacitação para o reforço dos preceitos éticos; ferramentas de Due Diligence de Terceiros para detecção e mitigação dos riscos advindos de prestadores de serviços; aderência à ética para identificação do nível de compliance ético individual; e blindagem de processos e controles efetivos.

Para a detecção de fraudes, o Canal de Denúncias e Ouvidoria, a gestão de incidentes e crises e o monitoramento da comunicação corporativa estão entre as condutas aconselháveis.

ICTS

A ICTS é uma empresa de consultoria, auditoria e serviços em gestão de riscos. Possui atuação do mercado de gestão de riscos, auditoria interna, compliance, gestão da ética, prevenção à fraude e gestão da segurança. Também oferece uma plataforma de serviços recorrentes de gestão de riscos, como o Canal de Denúncias, para a proteção contínua dos negócios. Atende 40% dos 200 maiores grupos empresariais do Brasil.

No Brasil, a ICTS representa a Protiviti, empresa global que auxilia empresas a resolver problemas em finanças, tecnologia, operações, governança corporativa, riscos e auditoria interna. Através de sua rede com mais de 70 escritórios em mais de 25 países, a Protiviti atende a mais de 35% da Fortune 1000 e Global 500. A ICTS é liderada pelos sócios Fernando Fleider, Marcelo Forma, Mauricio Fiss, Mauricio Reggio, Raul Silva, Shimon Guigui, Heloisa Macari e Cassiano Machado.

SEGURANÇA
Pense Inovação é uma publicação produzida especialmente para a Embratel pela TI INSIDE ONLINE, da Converge Comunicações. A reprodução do conteúdo depende de autorização prévia. A Converge Comunicações e a Embratel não assumem responsabilidades sobre mensagens alteradas, replicadas e encaminhadas por terceiros. Você pode entrar em contato pelo nosso Serviço de Atendimento ao Assinante, de segunda a sexta-feira das 09h00 às 19h00, através dos (11) 3138-4619 ou pelo e-mail [email protected]

Produzido por Converge Comunicações. Assine nossa newsletter.