Converge Comunicações -

RSS Feed Compartilhe TI INSIDE Online no Facebook Compartilhe TI INSIDE Online no Twitter Compartilhe TI INSIDE Online no Google+ Compartilhe TI INSIDE Online no Linkedin

Teles cobram preço próximo a pré-pago pelo Megabyte em acesso patrocinado

Postado em: 13/11/2015, às 14:28 por Fernando Paiva

Na semana passada, MOBILE TIME divulgou em primeira mão o acerto entre o Netshoes e as quatro grandes operadoras brasileiras para a oferta de acesso patrocinado ao seu aplicativo e site móveis durante um ano. Foi o segundo acordo do gênero firmado entre uma empresa e as quatro principais operadoras em atividade no Brasil, um ano e meio depois de o Bradesco ter conseguido esse feito inédito. Mas quais são os termos desse tipo de contrato? Quanto se paga por Megabyte em um acordo desse porte?

Pelo que apurou este noticiário, as negociações são feitas individualmente, entre a empresa interessada e cada uma das quatro operadoras. Aliás, foi exatamente a dificuldade em se fechar um preço justo com uma ou outra que fez com que demorasse tanto tempo para que um segundo acordo do gênero fosse assinado, afinal, não dá para lançar acesso patrocinado só para metade ou para três quartos da base brasileira. Ou seja, se uma das quatro teles resolve botar um preço que não feche a conta, o serviço não é lançado com as outras.

Porém, aos poucos, começa a ser delineado um norte para as negociações de acesso patrocinado. Segundo uma fonte que acompanhou as tratativas com o Netshoes, o preço mais caro dentre as quatro teles ficou próximo àquele do Megabyte cobrado no pré-pago. As outras três teriam fechado preços por Megabyte entre o pós e o pré-pago, mais perto deste último.

Mas não seria o caso de o preço ser até mais barato que o pós-pago, já que se trata de uma compra em larga escala e de longo prazo? Segundo fontes das operadoras, não. A argumentação é de que elas precisam manter a qualidade da conexão, não apenas para quem estiver acessando o app em questão, mas para todo o resto da base e para a navegação para toda a Internet.

Na ponta do lápis

Analisando-se os planos e pacotes de dados das operadoras móveis para seus clientes pré-pagos, é possível estimar que o preço por Megabyte gire em torno de R$ 0,02. Na Claro, por exemplo, o pacote de 50 MB custa R$ 0,99 ao dia, o que dá R$ 0,02 por Megabyte – ressalte-se que neste caso há acesso ilimitado a Facebook, Twitter e WhatsApp. Em outros planos é mais difícil calcular o preço do Megabyte, porque incluem chamadas de voz e SMS. No novo plano Oi Livre Semanal, a empresa cobra R$ 10 por 400 MB, 300 SMS e 75 minutos para qualquer operadora. Se esses R$ 10 fossem apenas pelos 400 MB, daria R$ 0,025 por Megabyte. O preço real, portanto, é menor.

O tráfego gerado em um app ou site de comércio móvel varia muito a cada visita de cada consumidor. Em um teste feito por MOBILE TIME no aplicativo do Netshoes navegando por meio de uma rede 4G, foram gastos 3 MB ao se pesquisar três produtos diferentes, olhando todas as fotos de cada um. Isso teria custado ao Netshoes no máximo R$ 0,06, se considerado o preço da Claro no pré-pago. Cabe lembrar que nem todo mundo que pesquisa produtos em um app ou site móvel conclui uma compra. A taxa de conversão é relativamente pequena sobre o total de visitas. Mas, dependendo do tíquete médio, a conta fecha e vale a pena bancar o acesso patrocinado. Esse deve ter sido o cálculo feito pelo Netshoes antes de assinar o acordo com as quatro teles.

É provável que outros acordos de acesso patrocinado sejam firmados ao longo dos próximos meses no Brasil, especialmente envolvendo apps de comércio móvel e de bancos: os primeiros ganham com vendas e os segundos economizam gastos com atendimento presencial.

Tags:

0 Comentários

Deixe o seu comentário!

Nome (obrigatório)

E-mail (não será mostrado) (obrigatório)

Website

Mensagem (obrigatório)



Top