Converge Comunicações -

RSS Feed Compartilhe TI INSIDE Online no Facebook Compartilhe TI INSIDE Online no Twitter Compartilhe TI INSIDE Online no Google+ Compartilhe TI INSIDE Online no Linkedin

Drones: avanço dos processadores de smartphones facilitará regulação

Postado em: 19/11/2015, às 15:18 por Fernando Paiva

A recém-nascida indústria de drones está intrinsecamente ligada àquela de smartphones. Não apenas porque muitos drones são controlados por dispositivos móveis, mas porque muitos dos sensores e processadores dentro de smartphones são os mesmos usados em drones, o que inclui, por exemplo, o acelerômetro e o giroscópio. E o ganho de escala obtido com a indústria móvel barateou os preços desses componentes, o que tornou possível o desenvolvimento de drones também mais baratos e seguros. Esse casamento entre as duas indústrias vai continuar e se tornar ainda mais profunda, na opinião de Jordi Muñoz, fundador e presidente da 3D Robotics, empresa pioneira no desenvolvimento de drones para uso civil. Ele prevê, inclusive, que a evolução dos processadores para smartphones vai ajudar a acelerar a aprovação da regulação para uso de drones ao redor do mundo.

"Tudo o que está sendo desenvolvido para smartphones é aplicado em drones, como chipsets cada vez mais rápidos e menores, que conseguem processar imagens complexas, como reconhecimento facial e identificação de objetos. Essa capacidade de processamento de imagens torna os drones mais seguros, reduzindo o risco de acidentes e facilitando o seu controle. Isso pode acelerar a aprovação da regulamentação de uso de drones", disse Muñoz, durante palestra no EmTech Brasil, evento realizado nesta quinta-feira, 19, no Rio de Janeiro. Ou seja, quanto menor o perigo no manuseio de drones, maior a chance de regulamentações serem aprovadas com menos restrições.

O empreendedor contou que a criação do seu primeiro drone só foi possível graças ao surgimento do videogame Nintendo Wii e do iPhone, dois produtos que reduziram drasticamente os preços de sensores como o acelerômetro e o giroscópio. Cada um custava antes mais de US$ 300 e baixaram para US$ 3 com a produção em larga escala para videogames e smartphones.

Muñoz nasceu no México e migrou para os EUA aos 21 anos de idade com US$ 20 no bolso. Seu primeiro protótipo de drone foi produzido em um garagem em 2007. Cinco anos depois, sua ideia havia evoluído e gerado uma empresa com faturamento anual de milhões de dólares.

Tags:

0 Comentários

Deixe o seu comentário!

Nome (obrigatório)

E-mail (não será mostrado) (obrigatório)

Website

Mensagem (obrigatório)



Top