Converge Comunicações -

RSS Feed Compartilhe TI INSIDE Online no Facebook Compartilhe TI INSIDE Online no Twitter Compartilhe TI INSIDE Online no Google+ Compartilhe TI INSIDE Online no Linkedin

Fundador do Second Life cria rede social para pequenos serviços

Postado em: 01/11/2011, às 18:15 por Redação

Philip Rosedale, fundador do Second Life, software de entretenimento que simula um mundo virtual em três dimensões, está de volta ao cenário da tecnologia. Desta vez não se trata de nenhuma invenção revolucionária, mas da Coffee & Power, uma rede de relacionamentos cujo propósito é unir pessoas que precisam de pequenos serviços a profissionais para executá-los, segundo o The Wall Street Journal.

Rosedale e seus parceiros organizaram o negócio sem uma sede fixa, com reuniões periódicas em cafés de São Francisco, na Califórnia. Assim, levantou US$ 1 milhão em uma rodada de financiamento para a criação da start-up, que foi definida por ele como um “lugar virtual onde pessoas conseguem que coisas reais sejam feitas”. A empresa também abriu um café na cidade para promover encontro entre os contatos promovidos na rede.

O primeiro negócio promovido pelo Cofee & Power foi o de um usuário que pediu a alguém que reformasse algumas roupas para que sua fantasia de Halloween se parecesse com um zumbi. A tarefa foi fechada por US$ 25. Como outros sistemas de comércio eletrônico, a start-up possui um sistema próprio de ranking de usuários e serviços. A rede social também tem como proposta encontrar bugs em um website, serviço pelo qual cobra US$ 25.

Curiosamente, a rede de Rosedale traz uma proposta completamente oposta à criação que lhe trouxe fama. O Second Life era uma plataforma virtual na qual as pessoas assumiam o controle de um avatar e viviam uma vida paralela. Nela, foi depositada uma grande esperança de sucesso, de receita e de público, com discussões inflamadas sobre a influência da vida virtual na vida real. O resultado, contudo, foi um fiasco. O Second Life até tentou descobrir formas de monetizar o site por meio de transações de bens virtuais pagos com dinheiro real, mas não sobreviveu e caiu no esquecimento – sobretudo a partir do momento que as pessoas passaram a construir um “espelho virtual” de sua vida real nas redes sociais, como o Facebook.

Rosedale planeja abrir mais cafés conforme o negócio for crescendo e promover um espaço para empreendedores que, assim como ele e sua equipe, se reuniam em lugares do tipo com seus notebooks para desenvolver os negócios.

Tags:

0 Comentários

Deixe o seu comentário!

Nome (obrigatório)

E-mail (não será mostrado) (obrigatório)

Website

Mensagem (obrigatório)



Top