Converge Comunicações -

RSS Feed Compartilhe TI INSIDE Online no Facebook Compartilhe TI INSIDE Online no Twitter Compartilhe TI INSIDE Online no Google+ Compartilhe TI INSIDE Online no Linkedin

Anatel passa a exigir homologação de todos os modelos de drones

Postado em: 02/01/2017, às 19:40 por Redação

As empresas ou pessoas físicas proprietárias de drones precisam homologar seus equipamentos com a Anatel, uma vez que possuem transmissores de radiofrequência em seus controles remotos e, em alguns casos, no próprio veículo aéreo, para a transmissão de imagens. Todos os drones necessitam ser homologados pela Anatel inclusive os de uso recreativo, como os de aeromodelismo.

A medida, segundo a Agência, tem como objetivo evitar interferências dos drones em outros serviços, a exemplo das comunicações via satélite. Os interessados em utilizar esta tecnologia deverão preencher um requerimento disponível no site da Agência e pagar uma taxa. No processo de homologação são verificadas as características técnicas de transmissão dos equipamentos.

Além da homologação da Anatel, só poderá operar um drone quem possuir uma autorização da ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil) ou o "Certificado de Autorização de Voo Experimental (CAVE)", que permite o uso de aeronaves apenas em operações experimentais sem fins lucrativos e sobre áreas pouco povoadas.

A operação dos drones faz parte das atividades de controle do espaço aéreo, segundo o Decea (Departamento de Controle do Espaço Aéreo), compartilhado por aviões e helicópteros, por isso necessitam de autorização. A regulamentação preserva o tráfego de aeronaves e a segurança das pessoas em solo, informa o órgão. O uso de drones para lazer e hobby seguem as regras válidas para o aeromodelismo e o Decea recomenda que a os vôos dos drones devem ser feitos durante o dia.

São proibidos pelo Decea os voos dos drones sobre infraestruturas consideradas críticas, áreas de segurança, aglomerações de pessoas e trajetórias utilizadas por outras aeronaves. São consideradas infraestruturas críticas as redes elétricas, usinas hidrelétricas, termelétricas e nucleares, redes de abastecimento de água ou gás, barragens ou represas, ou de vigilância da navegação aérea (radares de vigilância aérea), entre outras.

Procedimento

O primeiro passo para homologar um drone na Agência é fazer um auto cadastramento no Sistema de Gestão de Certificação e Homologação e preencher o requerimento de homologação.

O interessado deverá imprimir o boleto e efetuar o pagamento da taxa de R$ 200,00. Após o pagamento, o processo será analisado por um especialista da Anatel.

Antes de utilizar o equipamento, mesmo com a homologação da Anatel, o interessado deve entrar em contato com a ANAC, por meio do e-mail [email protected], e com o Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA) e-mail [email protected], pois existem requisitos para a utilização do dispositivo  no espaço aéreo brasileiro.

Tags: , , , , , , ,

4 Comentários

  1. Walter Cintra disse:

    É sério isto???

  2. Nagib disse:

    Não ficou claro na reportagem se até mesmo os produtos adquiridos no Brasil necessitam ser homologados. Estranharia essa atitude da Anatel ao obrigar os usuários a homologarem produtos, uma vez que somente produtos homologados podem ser comercializados em território nacional. A medida pode ser válida para os produtos adquiridos no exterior.

    • Claudiney Santos Claudiney Santos disse:

      A grande maioria do drones são importados. Se for nacional, deve seguir as regras de fabricação e homologação nos órgãos competentes.

      Claudiney Santos

    • Claudiney Santos Claudiney Santos disse:

      A grande maioria doa drones são importados. Se for fabricado localmente, deve seguir as regras de fabricação e homologação nos órgãos competentes.

      Claudiney Santos

Deixe o seu comentário!

Nome (obrigatório)

E-mail (não será mostrado) (obrigatório)

Website

Mensagem (obrigatório)



Top