Converge Comunicações -

RSS Feed Compartilhe TI INSIDE Online no Facebook Compartilhe TI INSIDE Online no Twitter Compartilhe TI INSIDE Online no Google+ Compartilhe TI INSIDE Online no Linkedin

E-book poderá custar mais caro que livro impresso, diz editor

Postado em: 10/05/2012, às 17:38 por Redação

O livro digital – ou e-book, como também é conhecido – poderá ter seu preço de venda mais alto do que o praticado no mercado impresso. A afirmação é do diretor da Associação Portuguesa de Editores e Livreiros (Apel), Henrique Mota, feita em palestra no 3º Congresso Internacional CBL do Livro Digital, nesta quinta-feira, 10, em São Paulo.

Segundo ele, embora os custos de distribuição pesem bastante na composição do preço do livro impresso, as possibilidades tecnológicas oferecidas pelo e-book deverão encarecer o conteúdo. “Imaginar que o livro digital seja apenas um texto é, na verdade, um desperdício tecnológico”, resumiu o diretor da Apel, em referência às muitas possibilidades abertas pelos novos formatos de publicação, que podem oferecer áudio, vídeos e aplicativos multimídia.

Mota fez um paralelo com o encarecimento o livro digital na Europa, que, segundo o editor, ocorre em razão da cobrança de um imposto de 23% sobre as vendas online naquele continente. Esta seria, na opinião de Mota, um dos motivos para a baixa penetração do e-book no mercado europeu, na comparação com o mercado norte-americano. Enquanto nos Estados Unidos mais de 10% do mercado é de livros digitais, na Europa esse número não passa dos 2%. Os números são de pesquisa realizada em 2010.

Única exceção à regra, o Reino Unido apresenta números mais significativos no mercado de e-books. Em 2010, aproximadamente 8% das vendas do mercado britânico foram de livros digitais. A explicação para essa diferença, ainda segundo Mota, é a influência do mercado norte-americano sobre o britânico. Na opinião do diretor da Apel, entretanto, a penetração do livro digital na Europa deve dobrar nos próximos anos.

Para Mota, os desafios para editores, distribuidores e livreiros europeus ainda são altos. Em primeiro lugar, está a necessidade de entender o momento do livro no continente. “Ainda temos muitas dúvidas em relação a evolução desse mercado”, disse. Outro grande desafio é a questão dos direitos autorais. “O copyright ainda é o fator determinante para a manutenção da criatividade”, disse.

Direitos autorais em pauta

Também em palestra no evento, Lynennte Owen, diretora de direitos autorais da Pearson Education, e Jens Bammel, secretário geral da International Publishers Associations, falaram sobre a importância da definição de uma legislação clara sobre os direitos do autor. Lynennte explicou que, neste momento, há divergências em relação à questão dos direitos autorais do livro digital.

Alguns autores defendem que seus conteúdos sejam disponibilizados gratuitamente, já outros, não. Por sua vez, os editores acreditam que haverá grandes problemas caso não haja gratificação pelos conteúdos. Ainda não se sabe como se sucederá o acordo de cessão de direitos, principalmente em casos em que o autor já é falecido, pois os herdeiros teriam que ser acionados para definir um acerto de valores entre as partes. “É difícil prever o que irá acontecer para se evitar uma canibalização de vendas. As margens e divisões de lucro entre autores, editores e empresas de TI (distribuidoras desses conteúdos) precisarão estar muito bem definidas”, explica a diretora da Pearson Education.

Para Bammel, outra questão preocupante é o risco da pirataria e digitalização das edições impressas, reproduzidas em sites e compartilhadas entre leitores. Ele explica que hoje existem entidades especializadas em rastrear conteúdos ilegais e punir os responsáveis. Porém, esta ação é vista por muitos como uma atitude antiquada e até de censura. O secretário defende que o acesso aberto também necessita de regras preestabelecidas e direitos autorais respeitados, mesmo que à primeira vista impopulares.

Ambos creem que o direito autoral precisa ser assegurado e que as editoras, autores e empresas distribuidoras do conteúdo digital devam estar em consonância.

Tags:

0 Comentários

Deixe o seu comentário!

Nome (obrigatório)

E-mail (não será mostrado) (obrigatório)

Website

Mensagem (obrigatório)



Top