Converge Comunicações -

RSS Feed Compartilhe TI INSIDE Online no Facebook Compartilhe TI INSIDE Online no Twitter Compartilhe TI INSIDE Online no Google+ Compartilhe TI INSIDE Online no Linkedin

Gestão para reduzir o consumo de energia

Postado em: 10/11/2009, às 12:55 por Redação

Quando se fala em gestão de ativos corporativos, as empresas de manufatura estão tomando uma nova direção que vai além das melhorias na eficiência das operações: a de buscar por meio de reduções drásticas dos gastos com energia e nas demais despesas com serviços que causam dor de cabeça no diretor financeiro.
Os altos custos industriais, como compra de equipamentos, requerem profissionais dedicados à manutenção e um trabalho em equipe entre gerentes e operadores para garantir que a vida útil do produto seja prolongada o máximo possível. Sob uma perspectiva tradicional de gestão de ativos, a estratégia se traduz numa simples tarefa: realizar a manutenção regular, de modo que a equipe seja muito bem aproveitada. Mas, em muitos casos, esta prática é essencialmente reativa, uma vez que a manutenção se baseia nas especificações apontadas pelo fornecedor ou porque o time responsável começa a cometer erros.
Entretanto, algumas empresas aprofundam mais nessa questão (especialmente aquelas em que a interrupção na produção ocasiona sérios problemas, como perdas significativas de material, ociosidade de recursos dispendiosos ou atraso no prazo de entrega) com a implementação de softwares que fornecem análises preditivas e apontam as falhas presentes na gestão de ativos. Com isso, enxuga-se boa parte do pessoal envolvido com inventário, reduzindo-se assim os custos de manutenção e mantendo a linha de produção em movimento.
Não faz muito tempo que encontrar meios de diminuir o uso de energia está entre as preocupações de muitos empresários, numa demonstração de que seus negócios são de fato ecologicamente corretos. Todavia, logo percebeu-se que o caminho até lá seria um tanto quanto tortuoso, principalmente pela constatação de que com a onda verde viriam custos elevados. Mas o que era uma vontade virou uma obrigação e a pressão sobre a redução efetiva de consumo de energia passa a ser uma realidade entre as empresas, que tiveram a difícil tarefa de se adaptar a novos padrões, desfazendo-se de equipamentos antigos e nem um pouco "eco-friendly".
Com os custos de energia nivelados, o principal foco de preocupação das empresas passa a ser a redução dos gastos operacionais, o que as leva a adotar, inclusive, medidas imediatistas de racionamento nos processos de manutenção de equipamentos. O resultado disso? Maior desgaste do maquinário, com a consequente elevação do gasto com energia, numa simples equação matemática em que uma produção reduzida que usa mais energia acarretará fatalmente a inflação no custo por unidade de produção.
Para contornar essa situação, muitas companhias vêm investindo cada vez mais na gestão de ativos sustentáveis (GAS), caracterizada bela busca de uma maior eficiência energética. O intuito da GAS é ajudar metalúrgicas e outros fabricantes a administrar melhor as condições aparentemente conflitantes de negócios, como a vida útil dos ativos versus a eficiência energética dentro da empresa.
Tal gestão inclui quatro fatores de calibragem entre um ativo e uma operação: disponibilidade, desempenho, qualidade e consumo energético. Por meio da GAS é possível obter uma visão global da performance dos ativos da empresa, seja a partir de medidas tradicionais, seja com base no nível de energia que está sendo consumida. Na prática, este modelo de gestão pode, por exemplo, aconselhar a troca do filtro de ar condicionado com maior frequência, indicando a utilização de um filtro mais caro para que a empresa abaixe os custos de energia da operação no médio prazo. Assim como é possível que o sistema emita alertas em tempo real quando o consumo energético em cada ativo alcance um valor predeterminado, lançando uma ordem imediata de inspeção, que evitará futuras falhas na linha de produção.
As diversas implantações no mundo corporativo de uma gestão efetiva de ativos sustentáveis têm mostrado que a diminuição no consumo de energia entre as empresas tem sido em torno de 12%, sem contabilizar a economia nos custos de ordem operacional. Se a redução no consumo de energia passou a ser uma imposição de mercado, alternativas como a deste novo modelo administrativo revelam-se medidas consistentes, ao passo que trazem o equilíbrio entre as finanças empresariais e o uso sustentável dos recursos do nosso planeta.
* Celso Tomé Rosa é vice-presidente da Infor Brasil.

Tags:

0 Comentários

Deixe o seu comentário!

Nome (obrigatório)

E-mail (não será mostrado) (obrigatório)

Website

Mensagem (obrigatório)



Top