Converge Comunicações -

RSS Feed Compartilhe TI INSIDE Online no Facebook Compartilhe TI INSIDE Online no Twitter Compartilhe TI INSIDE Online no Google+ Compartilhe TI INSIDE Online no Linkedin

Lenovo e Motorola fabricarão smartphones com chip Intel

Postado em: 11/01/2012, às 10:28 por Redação

A Lenovo e a Motorola anunciaram nesta quarta-feira, 11, que produzirão smartphones com chip Intel. A fabricante de semicondutores consegue, dessa maneira, um pequeno espaço no mercado de dispositivos móveis, no qual até hoje não conseguiu se consolidar. Atualmente, esse segmento é dominado pela ARM Holdings, cujos chips consomem menos energia e, consequentemente, poupam a bateria de celulares.

Segundo a Intel, seu chip conseguiu atingir um nível de paridade com o da ARM. A empresa confia em seu novo produto, batizado Medfield, que é baseado no design do Atom utilizado em netbooks e laptops low-end, para conquistar o segmento de smartphones. O chip foi apresentado durante a Consumer Electronics Show (CES), maior e mais tradicional feira de produtos eletrônicos do mundo, que acontece esta semana em Las Vegas, nos Estados Unidos.

A Motorola deve equipar tablets e smarphones com o chip da Intel. Os testes começam até meados do ano e os produtos devem entrar no mercado logo em seguida. A empresa não pretende abandonar por completo os chips da ARM, hoje utilizados em seus handsets. Já a Lenovo exibiu um smartphone já equipado com o chip da Intel. O modelo K800 será vendido na China a partir do segundo trimestre deste ano.

É importante ressaltar que nenhum fabricante hoje detém o domínio no mercado de celulares inteligentes. De acordo com o Gartner, a Lenovo possui 1,7% de participação de mercado na China, país de origem da empresa. No mundo, o market share da empresa é de apenas 0,3%.  A Motorola, por sua vez, tem tentado competir com as inovações recentes da Apple e da Samsung, mas sua participação no mercado mundial está abaixo de 5% atualmente. A Motorola Mobility foi comprada pelo Google em agosto por US$ 1,2 bilhão, transação ainda dependendo da aprovação de órgãos reguladores e que promete acirrar ainda mais a disputa no mercado.

Tags: ,

0 Comentários

Deixe o seu comentário!

Nome (obrigatório)

E-mail (não será mostrado) (obrigatório)

Website

Mensagem (obrigatório)



Top