Converge Comunicações -

RSS Feed Compartilhe TI INSIDE Online no Facebook Compartilhe TI INSIDE Online no Twitter Compartilhe TI INSIDE Online no Google+ Compartilhe TI INSIDE Online no Linkedin

Entre as tecnologias, VOD e DVRs dominam a cena

Postado em: 12/04/2006, às 20:16 por Samuel Possebon, de Atlanta

Do ponto de vista de tecnologias, a NCTA Cable 2006, realizada esta semana em Atlanta, apresentou mais ou menos o que se viu no ano passado, mas dessa vez com preços mais atraentes e soluções mais prontas.

As plataformas de video-on-demand (VOD), que não são novas, mas finalmente entraram na moda nos EUA, e as soluções de digital video recorders (DVRs) são as estrelas em todos os estandes de tecnologia.

Em VOD, quem chamou a atenção foi a Seachange que, aliás, instalou as plataformas de VOD para a Telefônica e a Telemar no Brasil. A tendência tecnológica bate com os números: cada vez mais operadores norte-americanos estão usando VOD para fidelizar a base (muitos inclusive oferecendo o conteúdo gratuitamente).

Ainda com pouco uso, mas com grandes perspectivas, estão as plataformas digitais com integração entre terminais fixos e móveis. Destaque, nesse campo, para a Motorola, que desde o ano passado aposta no chamado mundo "seamless" (sem emendas).

Já os gateways de entretenimento (na verdade são DVRs que podem ser controlados ao mesmo tempo por vários set-tops em diferentes cômodos) são a atração porque funcionam e ficaram baratos.

Hoje, as caixas com capacidade de controlar um DVR têm preço similar às caixas digitais mais simples. Outro destaque foram as plataformas HD, a maior parte delas (como os novos set-tops da Cisco/Scientific Atlanta lançados este ano) prontas para MPEG 4. O mercado norte-americano, é claro, está muito distante e adiante do mercado brasileiro nesse quesito, o que coloca uma questão: será que as redes de cabo que foram construídas em meados da década de 90 no Brasil estão prontas para o que elas terão que oferecer? Nos EUA, a resposta dos operadores à ameaça das teles é: "não há nada que eles possam fazer que também não possamos". No Brasil, a resposta seria a mesma?

Tags:

0 Comentários

Deixe o seu comentário!

Nome (obrigatório)

E-mail (não será mostrado) (obrigatório)

Website

Mensagem (obrigatório)



Top