Converge Comunicações -

RSS Feed Compartilhe TI INSIDE Online no Facebook Compartilhe TI INSIDE Online no Twitter Compartilhe TI INSIDE Online no Google+ Compartilhe TI INSIDE Online no Linkedin

Mercado nacional de software de segurança crescerá 13% até 2013

Postado em: 18/12/2009, às 12:42 por Victor Hugo Cardoso Alves

Fortemente afetado neste ano pela desaceleração econômica, o mercado brasileiro de software de segurança deve apresentar crescimento próximo de zero neste ano, contabilizando receita pouco inferior a R$ 160 milhões, praticamente o mesmo patamar de 2008, quando chegou a aproximadamente US$ 150 milhões, segundo dados da IDC.
A previsão da consultoria é que esse segmento de mercado terá crescimento anual médio de 13% entre 2008 e 2013. Cálculos de TI INSIDE Online mostram que, se esse percentual de aumento se confirmar, o mercado deve registrar receita de aproximadamente US$ 275 milhões a US$ 280 milhões.
O analista de mercado de software da IDC Brasil, Samuel Carvalho, prevê que o mercado de brasileiro de software de segurança deve retomar o crescimento no ano que vem e se recuperar fortemente a partir de 2011, quando voltará a apresentar taxas de expansão similares às do período pré-crise de 2008. "Em 2011, o setor superará a casa dos US$ 200 milhões", indica Carvalho.
O analista diz que o crescimento será puxado principalmente pelo mercado de software básico de segurança, como antivírus e antispam, que acompanha as vendas de PCs. Esses programas representam 65% da receita total do mercado nacional de software de segurança.
Na visão de Carvalho, o grande número de ameaças que surgem a cada mês e a necessidade dos usuários protegerem os equipamentos conectados à internet manterão as vendas de software de segurança em alta, tanto a categoria de soluções básicas, adquiridas por consumidores finais, como de soluções avançadas, utilizadas pelas empresas, como software de gerenciamento de acesso e de identidades, e gerenciamento das políticas de segurança. De acordo com o estudo da IDC, os setores financeiro, de telecomunicações e de manufatura responderam por metade dos gastos com segurança neste ano.

Tags:

0 Comentários

Deixe o seu comentário!

Nome (obrigatório)

E-mail (não será mostrado) (obrigatório)

Website

Mensagem (obrigatório)



Top