Converge Comunicações -

RSS Feed Compartilhe TI INSIDE Online no Facebook Compartilhe TI INSIDE Online no Twitter Compartilhe TI INSIDE Online no Google+ Compartilhe TI INSIDE Online no Linkedin

Projeto quer proibir exclusividade no credenciamento de bandeiras de cartão de crédito

Postado em: 25/08/2008, às 20:55 por Redação

Entre os 17 itens da pauta que a Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) vota nesta terça-feira, 26, está o projeto de lei do Senado que proíbe cláusulas de exclusividade entre bandeiras e empresas adquirentes no mercado de cartões de crédito e débito. A matéria, de autoria do senador Adelmir Santana (DEM-DF), tem voto favorável do relator, senador Gerson Camata (PMDB-ES), e decisão terminativa na CAE.

Em seu relatório, Camata explica que as bandeiras Visa e Mastercard detêm 90% do mercado brasileiro de cartões de crédito. Essas administradoras de cartões têm contratos de exclusividade com as empresas adquirentes Visanet e Redecard, respectivamente. Apenas essas empresas podem credenciar os estabelecimentos comerciais. "Assim, se um estabelecimento comercial desejar aceitar cartões Visa, deverá, necessariamente, fazer um contrato com a Visanet", explica Camata.

O relator acrescenta que essa prática não ocorre em outros países e cita o exemplo dos Estados Unidos, onde as várias empresas adquirentes estimulam a concorrência. "No Brasil, a pouca concorrência na atividade de credenciamento certamente contribui para explicar por que pequenos e médios estabelecimentos chegam a pagar, a título de taxa de desconto, até 5% para os adquirentes, cerca de duas vezes mais do que pagam seus colegas norte-americanos e europeus", afirma o parlamentar em seu relatório.

Na justificativa da proposta, Adelmir Santana lembra que na Itália e na Holanda, onde houve a quebra do monopólio de adquirentes, "observou-se uma redução significativa na tarifa cobrada dos estabelecimentos comerciais". Segundo ele, o que se quer é permitir que uma única empresa adquirente faça o credenciamento para diversas bandeiras, o que diminui o custo da indústria e permite taxas de desconto menores. Com um único contrato, um estabelecimento comercial poderá se filiar a quantas bandeiras quiser.

Camata apresentou emenda permitindo cláusulas de exclusividade para bandeiras pequenas, com participação no mercado inferior a 10%. Ele entende que um contrato de exclusividade com uma empresa adquirente com penetração nacional pode ajudar a consolidar uma nova bandeira no mercado, sendo, nesse caso, benéfica à concorrência.

Outro projeto de Adelmir Santana relatado por Gerson Camata é o PLS 678/07, que inclui entre as instituições financeiras as empresas participantes da indústria de cartões de crédito e débito. O principal objetivo apontado por Santana em sua justificativa é que essas empresas obedeçam às mesmas regras das demais instituições financeiras e sejam submetidas ao mesmo órgão regulador, o Banco Central. O autor considera que a fiscalização do BC também contribuirá para acabar com o que chamou de "monopólio na atividade de credenciamento". Essa matéria não está em decisão terminativa.

Ainda na pauta da CAE, entre outros, está o projeto de lei de autoria do senador Renato Casagrande (PSB-ES) e com voto favorável do relator, senador Arthur Virgílio (PSDB-AM), que dá à Anatel competência para arrecadar e aplicar sanções administrativas no âmbito do Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações (Fust).

Com informações da Agência Senado.

Tags:

0 Comentários

Deixe o seu comentário!

Nome (obrigatório)

E-mail (não será mostrado) (obrigatório)

Website

Mensagem (obrigatório)



Top