Converge Comunicações -

RSS Feed Compartilhe TI INSIDE Online no Facebook Compartilhe TI INSIDE Online no Twitter Compartilhe TI INSIDE Online no Google+ Compartilhe TI INSIDE Online no Linkedin

As tecnologias que usuários e empresas vão consumir no futuro, segundo o Gartner

Postado em: 27/10/2017, às 22:49 por Redação

As empresas que buscam opções de valor baseadas em tecnologia devem crescer mais rápido que demais. Segundo os analistas do Gartner, em 2021, as marcas pioneiras que redesenharem seus sites para suportar pesquisas visuais e de voz aumentarão as receitas de comércio digital em 30%. A consultoria explica que as consultas baseadas em pesquisa de voz e visual melhoram a compreensão dos interesses e intenções dos consumidores pelos comerciantes.

Juntamente com os índices contextuais adicionais disponíveis nos smartphones, as marcas de adoção pioneira de tecnologias e os e-commerces vão aproveitar a mudança de consumidores para essas modalidades de pesquisa. Eles ganharão vantagem competitiva medida em taxas de conversão, crescimento de receita, aquisição de novos clientes, participação de mercado e satisfação do cliente.

A demanda dos consumidores de dispositivos de voz – incorporada por produtos como Amazon Echo e Google Home – deverá gerar US$ 3,5 bilhões até 2021.

Segundo o Gartner, as marcas que são capazes de desenvolver maneiras de implementar sistemas para devolução a partir de dispositivos verão o rápido crescimento nas receitas do comércio digital.

Até 2020, cinco dos sete principais gigantes digitais irão se "autodestruir" intencionalmente para criar suas próximas oportunidades de liderança. Ao fazer coisas novas, os gigantes digitais, como Alibaba, Amazon, Apple, Baidu, Facebook, Google, Microsoft e Tencent, provavelmente irão encontrar situações em que suas influências tenham crescido tanto que é difícil criar novos cenários de valor.

Isso, em última análise, leva a uma autodestruição. Em uma estratégia de autointerrupção, a mudança surge como intenção proposital de chegar primeiro, mesmo que seja necessário destruir-se. Embora isso possa ser arriscado, o risco de estagnação pode ser ainda maior.

Até o final de 2020, o setor bancário obterá US$ 1 bilhão em valor comercial a partir do uso de criptomoeda baseada em Blockchain. O valor combinado atual das criptomoedas em circulação em todo o mundo é de US$ 155 bilhões e essa quantia vem aumentando à medida que os tokens continuam a proliferar e o interesse do mercado cresce.

As criptomoedas são mais maduras do que a infraestrutura técnica e comercial que as suporta. Isto é, em parte, devido à falta de credibilidade que os desenvolvimentos em token recebem das empresas líderes de mercado. No entanto, quanto mais os bancos começarem a ver a criptomoeda e ativos digitais no mesmo contexto que os instrumentos financeiros mais tradicionais, mais o valor comercial distribuído começará a aumentar.

Isso exige que cada indústria repense os aspectos dos modelos atuais de negócios fiat-based (que não tem valor por si só, mas pela lei), como preços de bens e serviços, métodos contábeis e fiscais, sistemas de pagamento e recursos de gerenciamento de risco para acomodar essas novas formas de valor em suas estratégias de negócios.

Até 2022, a maioria das pessoas em economias maduras consumirá mais informações falsas do que verdadeiras. "Fake News" (notícias falsas) se tornaram um grande tema político e de mídia mundial em 2017. Enquanto notícias falsas são atualmente de conhecimento público, é importante perceber que a extensão do conteúdo criado digitalmente, que não é uma representação factual ou autêntica da informação, vai muito além do aspecto das notícias.

Para as organizações, essa aceleração do conteúdo em um discurso dominado por mídias sociais apresenta um problema real. As empresas precisam não apenas monitorar de perto o que está sendo dito sobre suas marcas diretamente, mas também em quais contextos, para garantir que elas não estejam associadas a conteúdos prejudiciais ao valor de sua marca.

Até 2020, a criação de "realidade falsa", baseada em Inteligência Artificial (AI), ou conteúdo falso, vai superar a capacidade da AI de detectá-la, fomentando a desconfiança digital. A "realidade falsa" é a criação digital de imagens, vídeos, documentos ou sons que são representações convincentemente realistas de coisas que nunca ocorreram ou existiram exatamente como representadas.

Nos últimos 30 anos, a capacidade de criar e disseminar conteúdos suavemente ou abertamente alterados aumentou fortemente à medida que um grande número de pessoas obteve acesso à Internet com pouco controle sobre a distribuição de conteúdo. A próxima onda dessa distribuição será o conteúdo gerado por máquina.

Em 2021, mais de 50% das organizações gastarão mais por ano em criações de Bots e Chatbot do que os desenvolvimentos tradicionais de aplicativos para dispositivos móveis. A atenção do usuário está se afastando de aplicativos individuais em dispositivos móveis e aparecendo em tecnologias pós-aplicativo (post-app) emergentes, como Bots e Chatbots. Hoje, os Chatbots são o rosto da AI e afetarão todas as áreas nas quais há comunicação entre humanos.

Os Bots têm a capacidade de transformar a forma como os próprios aplicativos são criados e o potencial de mudar a maneira como os usuários interagem com a tecnologia. O uso adequado de Bots também é suscetível a aumentar o engajamento do colaborador ou do cliente, pois eles podem automatizar rapidamente as tarefas para liberar profissionais para trabalhos não padronizados, incluindo interações de perguntas e respostas, quando implantados como Chatbots ou assistentes virtuais.

Em 2021, 40% da equipe de TI será versátil, ocupando vários papéis, a maioria dos quais será de negócios e não de tecnologia. Os especialistas de TI representam cerca de 42% de toda a força de trabalho de TI em 2017, mas, até 2019, o Gartner prevê que as contratações de especialistas em tecnologia de TI cairão em mais de 5%, já que as iniciativas de negócios digitais exigem um número crescente de profissionais versáteis de TI.

Esta mudança começará em infraestrutura e operações, pois a necessidade de I&O que pode suportar a infraestrutura sob demanda surgirá. Com uma base sólida de I&O no local, um aumento nos gerentes de TI não técnicos e líderes com o perfil versátil seguirá. Após a onda de liderança, os esforços de negócios digitais orientados para o marketing, como a inteligência de negócios, serão seguidos pelo desenvolvimento de software, gerenciamento de produtos digitais, gerenciamento de projetos/programas/portfólio e gerenciamento e arquitetura de experiência do cliente.
Em 2020, a AI se tornará um motivador positivo de emprego, criando 2,3 milhões de empregos e eliminando apenas 1,8 milhão de empregos – A AI eliminará mais empregos do que vai criar até 2019, no entanto, o número de empregos criados devido à AI em 2020 é suficiente para superar esse déficit. A criação ou eliminação de empregos irá variar muito pela indústria.

Algumas indústrias sofrerão perda geral de emprego, outras sofrerão perda de emprego por apenas alguns anos e outras, como as de saúde e educação, nunca experimentarão perda de emprego no balanço final. A AI melhorará a produtividade de muitos empregos e, de forma criativa, tem potencial para enriquecer as carreiras das pessoas, reimaginar tarefas antigas e criar novas indústrias.

Até 2020, a tecnologia IoT (Internet das Coisas) estará em 95% dos eletrônicos para novos projetos de produtos – A combinação de gerenciamento de smartphones, controle de nuvem e módulos de habilitação baratos oferece monitoramento, gerenciamento e controle sofisticados com um custo adicional mínimo nos dispositivos-chave. Uma vez que esta tecnologia emerge, os compradores rapidamente irão mover-se para produtos disponíveis na Internet de Coisas (IoT), e o interesse e a demanda por produtos habilitados para IoT crescerão rapidamente como bola de neve. Todo fornecedor deve, no mínimo, fazer planos para implementar a tecnologia IoT em seus produtos, tanto para consumidores como para compradores de empresas.

Até 2022, a metade de todos os investimentos de segurança para a IoT irá para remediação de falhas, recuperações e falhas de segurança em vez de proteção – Os riscos relacionados à introdução do IoT como parte de projetos ou iniciativas são substancialmente impactados pelas consequências não intencionais geradas quando a forte presença digital é introduzida em todas as indústrias e setores de mercado com o crescimento da IoT. O requisito de atualizar dispositivos periodicamente, como é feito com telefones celulares e outros sistemas remotos, é multiplicado por vários fatores e a incapacidade de executar essas atualizações pode resultar em grandes recalls de produtos.

Para os ambientes industriais, a escala e a diversidade podem não ser tão significativas, mas a necessidade de preservar a segurança para os indivíduos, o ambiente e o complexo regime regulatório que controla os sistemas de segurança irá assegurar que a rápida expansão do uso da IoT nesses sistemas resultará em impactos de regulação.

Tags: , , , , , , , , , , , ,

0 Comentários

Deixe o seu comentário!

Nome (obrigatório)

E-mail (não será mostrado) (obrigatório)

Website

Mensagem (obrigatório)



Top