Converge Comunicações -

RSS Feed Compartilhe TI INSIDE Online no Facebook Compartilhe TI INSIDE Online no Twitter Compartilhe TI INSIDE Online no Google+ Compartilhe TI INSIDE Online no Linkedin

Será o fim da linha para a TI Bimodal?

Postado em: 29/05/2017, às 17:56 por Leandro Laporta

No mundo da tecnologia da informação existem conceitos que aparecem de tempos em tempos, assumindo um papel de destaque no debate entre profissionais da área. Primeiro, esses conceitos surgem como tendência, depois se tornam regras e, por fim, ficam obsoletos. Em resumo – tudo é cíclico quando falamos em TI. Com a crescente aceleração da digitalização dos negócios, esses ciclos têm sido cada vez mais curtos. Um bom exemplo é o do conceito de TI Bimodal.

O termo, evidenciado pelo Gartner em 2014, se refere à divisão da TI em duas vertentes: o "Modo 1", focado em estabilidade e confiabilidade, e o "Modo 2", que se concentra na agilidade, flexibilidade e na capacidade de operar no campo da inovação, uma área de grande incerteza. A "TI Modo 1" suporta um ambiente de negócios evolutivo, enquanto a "TI Modo 2" trabalha guiada pela experimentação.

Porém, com a massificação da adoção da nuvem nos negócios, tanto para sistemas legados quanto para aplicações e serviços, esse conceito, que não era exatamente novo, perdeu força muito rapidamente. Menos de um ano após a conclusão do Gartner sobre o tema, começaram a surgir os primeiros questionamentos.

É preciso reconhecer que algumas empresas que passaram a operar dentro do modelo de TI bimodal, conseguiram executar ambos os modos na nuvem com êxito. No Modo 1, trabalham com softwares-como-um-serviço (SaaS), serviços gerenciados e até com a virtualização de diversos aplicativos. Já no Modo 2, desenvolvedores estão colaborando dentro de ambientes de testes de provedores de serviços na nuvem, experimentando diferentes configurações paralelamente.

Mas, se a migração de sistemas e aplicações para a nuvem traz justamente flexibilidade e agilidade, logo, dividir a TI em segmentações distintas pode passar a ser um movimento estratégico desnecessário.

Partir para o ambiente digital é essencial para o futuro de qualquer empresa, sobretudo para controlar custos e atender as expectativas de seus clientes sem perder tempo. No entanto, a transformação de qualquer organização é um grande desafio. Tentar modernizar todas as aplicações diretamente para a nuvem só será algo prático se a área de TI da empresa tiver à sua disposição uma equipe enorme de desenvolvedores.

Priorizar as aplicações mais importantes e seguir gradativamente até que tudo esteja na nuvem, pode ser o caminho mais adequado, e isso é plenamente executável sem a necessidade de setorizar o time de TI. Diante disso, o conceito "Bimodal" perde sentido. E que venha o próximo ciclo.

Leandro Laporta, gerente de Pré-Vendas da Orange Business Services.

Tags: , , , , ,

1 Comentário

  1. Steve disse:

    Limitar o conceito de bi-modal apenas à infraestrutura é no mínimo irresponsável. A segmentação bi modal abrange tanto área de negócios, como de projetos também, e deve estar intimamente relacionada a objetivos estratégicos da empresa. Cloud por si só não ajuda nesse sentido. Faltou um pouco de conhecimento aí hein…

Deixe o seu comentário!

Nome (obrigatório)

E-mail (não será mostrado) (obrigatório)

Website

Mensagem (obrigatório)



Top