Converge Comunicações -

RSS Feed Compartilhe TI INSIDE Online no Facebook Compartilhe TI INSIDE Online no Twitter Compartilhe TI INSIDE Online no Google+ Compartilhe TI INSIDE Online no Linkedin

Fórum Econômico Mundial e seguradoras discutem como mitigar riscos da inovação

Postado em: 30/10/2017, às 21:09 por Redação

Para evitar níveis elevados de risco sem seguro na economia da inovação, o setor de seguros está unindo forças com empresas de tecnologia e governos na iniciativa "Mitigando Riscos na Economia da Inovação", liderada pelo Fórum Econômico Mundial.

Em um relatório conjunto, o grupo de trabalho expõe os riscos e metas, incluindo:

* Encerrar a lacuna nos quadros de governança existentes para gerenciar riscos de inovações.

* Determinar os passivos, os papéis e as responsabilidades envolvidos com esses riscos.

*Configurar um mecanismo de compartilhamento de dados para gerenciar os riscos.

"Ninguém conhece atualmente a magnitude da exposição de risco da sociedade a novas tecnologias sem seguro", disse Victoria Shirazi, responsável pelo projeto de Atenção de Risco em Inovação no Fórum Econômico Mundial. "Uma falha tecnológica que já foi pequena e contida pode entrar em cascata em perdas potencialmente catastróficas. Esta iniciativa ajudará as sociedades a prevenir, responder e recuperar desses novos riscos ".

As seguradoras apontam para possíveis cenários de risco de riscos emergentes com custos estimados muito variados:

*Um ataque cibernético na rede elétrica do Nordeste dos Estados Unidos pode resultar em perdas econômicas de US$ 222 bilhões.

*Uma interrupção de serviços na nuvem pode resultar em perdas econômicas que variam de US$ 15,6 bilhões a US$ 121,4 bilhões.

* Uma atualização de software "comprometido" para sistemas interconectados globalmente poderia colocar entre US$ 4,5 trilhões e US$ 15 trilhões de PIB global em risco ao longo de cinco anos devido a perdas para o PIB global.

A maioria desses e outros riscos relacionados à inovação não possuem seguro: a diferença de seguro é tão alta quanto 83% em um cenário de interrupção do serviço em nuvem e 93% para uma configuração de vulnerabilidade em massa. Outros riscos ainda são desconhecidos.

"À medida que as tecnologias emergem por conta própria, os riscos estão se tornando tão grandes e complexos que as empresas e os governos não serão capazes de lidar com eles", afirmou Inga Beale, diretor executivo da Lloyd's , que apoia a iniciativa.

Entre os participantes algumas das maiores seguradoras e corretores de seguros do mundo, incluindo Allianz, Lloyd's, Marsh & McLennan, Sompo Holdings, Swiss Re, Willis Towers Watson, XL Catlin e Zurich Insurance Group; empresas de tecnologia como Cisco, Hitachi, IBM e Siemens; e altos funcionários da Comissão Europeia, Índia, Japão, Países Baixos, Singapura, Suíça, Reino Unido e Estados Unidos.

Os consumidores enfrentam duas reais realidades que o grupo precisa resolver, disse Matthew Leonard, sócio da Oliver Wyman e membro da iniciativa: "Primeiro, as pessoas não entendem completamente os riscos que estão correndo; e segundo, aqueles que procuram mitigar seus riscos com seguros são confrontados com uma falta decidida de escolha e / ou acessibilidade ".

Os membros desta iniciativa se comprometeram a desenvolver ações múltiplas e testadas em 2018, a partir da reunião anual do Fórum Econômico Mundial em janeiro. O relatório e a iniciativa conjunta foram elaborados pelo Fórum em colaboração com Oliver Wyman. Ao longo do processo, o setor de seguros também explorará como ele pode cumprir melhor suas novas capacidades, como o assessoramento e análise de riscos.

Tags: , , ,

0 Comentários

Deixe o seu comentário!

Nome (obrigatório)

E-mail (não será mostrado) (obrigatório)

Website

Mensagem (obrigatório)



Top