Converge Comunicações -

RSS Feed Compartilhe TI INSIDE Online no Facebook Compartilhe TI INSIDE Online no Twitter Compartilhe TI INSIDE Online no Google+ Compartilhe TI INSIDE Online no Linkedin

Banda larga enfrenta várias barreiras no Brasil, avalia Seprorj

Postado em: 30/11/2009, às 11:24 por Redação

Velocidades inconstantes, preços elevados, abrangência pequena da rede e falta de investimento em conteúdo nacional. Estes são os quatro principais obstáculos para o avanço da internet em banda larga no Brasil, na visão do presidente do Sindicato das Empresas de Informática do Estado do Rio de Janeiro (Seprorj), Benito Paret.
Ele avalia que o cenário é muito complicado, principalmente na área da educação. "Se nós não tivermos conteúdo nacional, vão circular pela rede coisas que nada têm a ver com a realidade brasileira", alertou.
Sobre a questão dos preços referenciais pelos serviços de internet em alta velocidade, ele observa que estes equivalem a duas ou três vezes os valores praticados no exterior. "Isso sem contar a alta carga de impostos existente no país." "Se lá fora [o serviço] é vendido por R$ 10, aqui é vendido por R$ 30 sem impostos. Quando são incluídos os impostos, isso vai para R$ 50 ou R$ 60. Esse é o problema. Os custos estão muito ligados a uma prática muito exagerada de preços que são cobrados aqui pelas teles. Não tem concorrência. E aí somam os impostos e o negócio vai lá para a China", criticou Paret.
A União Internacional de Telecomunicações (UIT) define como conexão de banda larga efetiva aquela que opera a velocidades de 1,5 Mbps a 2 Mbps. De acordo com Paret, se tiver menos do que isso, não é banda larga. Ele pondera que no Brasil as pessoas contratam velocidades de 2 Mbps, mas a companhia telefônica só garante 10%. "Você só vai ter os 2 Mbps em dia de feriado, às quatro horas da manhã. Não funciona." Segundo Paret, a falta de investimento em equipamentos explicaria esse problema.
Ainda com base em estudo da UIT, Paret ressalta que o comprometimento da renda per capita do brasileiro é bem maior do que em outros países. "Nos Estados Unidos, uma banda larga eficaz compromete 0,4% da renda média do consumidor. No Brasil, o usuário gasta 9,6% da renda per capita, e para um serviço de qualidade duvidosa", destacou o presidente da Seprorj. Com informações da Agência Brasil.

Tags:

0 Comentários

Deixe o seu comentário!

Nome (obrigatório)

E-mail (não será mostrado) (obrigatório)

Website

Mensagem (obrigatório)



Top