Converge Comunicações -

RSS Feed Compartilhe TI INSIDE Online no Facebook Compartilhe TI INSIDE Online no Twitter Compartilhe TI INSIDE Online no Google+ Compartilhe TI INSIDE Online no Linkedin

Internet das coisas: você não está protegido só porque não tem

Postado em: 21/11/2016, às 21:39 por Carlos Rodrigues

A maioria das grandes empresas não conta com câmeras WiFi ou outros gadgets de internet das coisas que possam sofrer algum ataque. Isso, no entanto, não significa que as organizações não tenham de se preocupar com ataques geralmente direcionados à internet das coisas.

No último mês, a empresa fornecedora de serviços de DNS Dyn sofreu um ataque que prejudicou serviços como Airbnb, Netflix, Paypal, Spotify e Twitter, entre outros. O protagonista da ação foi o malware Mirai, que tira vantagens de uma série de vulnerabilidades de dispositivos de internet das coisas para comprometer aqueles que usam configurações de fábrica ou credenciais de acesso com senhas estáticas.

A falta de dispositivos de internet das coisas em uma empresa não é garantia de que um malware desse tipo não possa se aproveitar desses mesmos erros de segurança. Várias vulnerabilidades já encontradas em câmeras WiFi, por exemplo, também aparecem em uma série de equipamentos simples de classe empresarial.

Conheça alguns erros que colocam os negócios em risco:

Perímetro desprotegido

Este ano, a Cisco divulgou uma vulnerabilidade conhecida como ExtraBacon, que permitia à hackers a execução de códigos remotamente em um de seus produtos de firewall. Em julho, uma vulnerabilidade do tipo zero-day em um produto da Juniper permitia que hackers monitorassem o tráfego interno da rede.

Mais preocupante que isso talvez seja o potencial dos hackers de atacar o firmware – o código de hardware do qual roteadores, telefones, laptops e outros gadgets dependem. Como o firmware não é assinado digitalmente, os hackers podem alterá-lo para conter um malware especial para tomar o dispositivo.

Um funcionário de uma empresa de data center trabalhando para um grupo de cibercriminosos pode carregar o firmware com malware em um roteador, por exemplo. Um grupo de cibercriminosos pode ainda atacar o site de um fabricante de roteadores e trocar um bom firmware por uma versão maliciosa que pode ser baixada por milhares de roteadores e firewalls.

Diante dessas vulnerabilidades, o perímetro acaba em perigo e as ferramentas de defesa podem fazer muito pouco por esse tipo de problema.

Configurações de fábrica

É comum vermos consumidores tratando seus roteadores e outros dispositivos conectados à internet como torradeiras ou outros eletrodomésticos – plugam na tomada e esquecem.

Infelizmente, mesmo os roteadores mais fáceis de usar e livres de manutenção precisam de atenção, incluindo a mudança das configurações de fábrica para adicionar senhas mais complexas.

Quando esse tipo de comportamento é adotado nas empresas, as consequências podem ser graves. Em 2014, por exemplo, a Verizon notou, em ataques a pontos de venda, que os hackers escaneiam portas públicas e então adivinham senhas fracas para o servidor ou dispositivo de ponto de venda – incluindo aqueles com senhas nunca antes alteradas e senhas óbvias como "admin1234".

Os hackers sempre vão tirar vantagem de softwares corporativos internos com configurações de fábrica nunca alteradas. Infelizmente, isso é algo comum. A TI vive sob pressão para manter o funcionamento rápido de aplicações e sistemas e, por isso, contas com configurações de fábrica e senhas falsas são mantidas em atividade por uma questão de conveniência.

Por isso, além de contar com um plano para quando os hackers ultrapassarem suas primeiras linhas de defesa, também é importante contar com controles de segurança para monitorar e detectar invasores.

Carlos Rodrigues, gerente regional da Varonis na América Latina.

Tags: , , , , , , , ,

0 Comentários

Deixe o seu comentário!

Nome (obrigatório)

E-mail (não será mostrado) (obrigatório)

Website

Mensagem (obrigatório)



Top