Converge Comunicações -

RSS Feed Compartilhe TI INSIDE Online no Facebook Compartilhe TI INSIDE Online no Twitter Compartilhe TI INSIDE Online no Google+ Compartilhe TI INSIDE Online no Linkedin

UCLA desenvolve algoritmo para uso em soluções de identificação

Postado em: 12/02/2016, às 12:43 por Redação

Um grupo de pesquisa Engenharia da UCLA – Universidade da Califórnia Los Angeles divulgou a descoberta de um algoritmo que ajuda os computadores a processar imagens em altas velocidades e "vê-los" de maneira que os olhos humanos não podem. Os pesquisadores dizem que o código poderá ser eventualmente utilizado para identificação de faces, impressões digitais e reconhecimento de íris para segurança de alta tecnologia, bem como em sistemas de navegação dos carros de autônomos ou para inspecionar produtos industriais.

O algoritmo executa uma operação matemática que identifica as bordas dos objetos e, em seguida, detecta e extrai suas características. Ele também pode melhorar as imagens e reconhecer texturas dos objetos.

O algoritmo foi desenvolvido por um grupo liderado por Bahram Jalali, professor do UCLA da engenharia elétrica e titular da Cátedra Northrop-Grumman em Optoelectronics, e o pesquisador sênior Mohammad Asghari.

Ele está disponível para download gratuito em duas plataformas de código aberto, Github e Matlab File Exchange. Tornando-o disponível como código-fonte aberto permitirá aos pesquisadores trabalharem em conjunto para estudar, utilizar e melhorar o algoritmo, e para modificar livremente e distribuí-lo. Ele também irá permitir que aos usuários incorporar a tecnologia em visão computacional e aplicações de reconhecimento de padrões e outras aplicações de processamento de imagem.

A fase de "Transform" do  algoritmo, como é conhecido, é uma abordagem computacional de inspiração física para processamento de imagens e informações. O algoritmo cresceu a partir da pesquisa da UCLA em uma técnica chamada de estiramento tempo fotónica, que tem sido utilizado para imagiologia ultra-rápida e detecção de células cancerígenas no sangue.

O algoritmo também ajuda os computadores a ver características de objetos que não são visíveis usando técnicas de imagem padrão. Por exemplo, pode ser usado para detectar a estrutura interna de uma lâmpada LED, que – usando técnicas convencionais – seria obscurecida pelo brilho de sua luz, e pode ver estrelas distantes que normalmente seriam invisíveis em imagens astronômicas.

A pesquisa que levou ao desenvolvimento do algoritmo foi financiada pelo Office of Naval Research através do programa iniciativa de pesquisa da Universidade Multidisciplinar de Computação Ótica.

Tags: , , , , , , , , , , , ,

0 Comentários

Deixe o seu comentário!

Nome (obrigatório)

E-mail (não será mostrado) (obrigatório)

Website

Mensagem (obrigatório)



Top