Converge Comunicações -

RSS Feed Compartilhe TI INSIDE Online no Facebook Compartilhe TI INSIDE Online no Twitter Compartilhe TI INSIDE Online no Google+ Compartilhe TI INSIDE Online no Linkedin

Jovens criam fintech e já processam R$1,5 mi em apenas 3 meses

Postado em: 23/11/2017, às 20:15 por Redação

Com uma mistura de tecnologia e pensamento "fora da caixa", os jovens empreendedores João Miranda e Thiago Arnese, de 22 e 24 anos, respectivamente, criaram a Hash lab, uma startup especializada em soluções de meios de pagamentos, com plataforma própria que permite que qualquer empresa seja um provedor de serviços de pagamento (PSP), gerando valor e uma nova linha de receita para seu negócio.

A pouca idade dos seus idealizadores não representa falta de maturidade. Muito pelo contrário: a empresa traz um novo estilo para desenvolver ferramentas mais completas tendo como base o perfil jovem de seus fundadores e de sua equipe somado ao conhecimento de 5 anos no mercado de pagamentos brasileiro.

Inseridos em um mercado com crescimento em ritmo acelerado – números recentes da FintechLab, que realiza um levantamento anual sobre companhias do setor, indicam avanço de 87% no segmento de fintechs – os empreendedores, que já atuaram juntos na Pagar.me, enxergam a forte burocracia e o alto nível de complexidade do setor como inspiração para inovar e criar novas tecnologias.

A novidade do formato da companhia vem em duas frentes: o tamanho da equipe e o tipo de tecnologia utilizada. Esses elementos se complementam, pois ao investir em uma infraestrutura mais completa é possível atuar com um time mais enxuto sem perder performance e escalabilidade. O perfil jovem não é nenhum impeditivo no crescimento do empreendimento, que em menos de três meses de operação já soma R$ 1,5 milhão transacionado em sua plataforma, mais de 200 estabelecimentos comerciais cadastrados e mais de 5.000 consumidores que já utilizaram suas soluções.

Para Thiago, o segredo do sucesso é ser resiliente e ter em mente que quanto maiores as demandas e as dificuldades, maiores serão o retorno e a valorização dos negócios. "Ao utilizar o que há de mais avançado na tecnologia para o mercado financeiro, conseguimos ser mais ágeis, precisos e amplos, atuando na prevenção de problemas ao invés da resolução e remediação."

Miranda complementa que o objetivo é atuar no desenvolvimento de infraestrutura para descentralizar o poder financeiro. "Queremos aumentar nossa capacidade de distribuição e atuação, possibilitando que nossos clientes tenham maior autonomia e liberdade comercial para determinarem seu próprio modelo de negócios, por isso optamos por trabalhar de forma whitelabel, que possibilita oferecer a melhor infraestrutura para qualquer empresa que deseja ter sua marca exposta e soluções de pagamentos e financeiras para seu nicho", afirma.

Tags: , , ,

0 Comentários

Deixe o seu comentário!

Nome (obrigatório)

E-mail (não será mostrado) (obrigatório)

Website

Mensagem (obrigatório)



Top